fbpx

Arte naïf bauruense na Pinacoteca Municipal

Nesta sexta-feira, 13, a Pinacoteca Municipal inaugura, às 20h, uma exposição inédita de arte naïf. A exposição, patrocinada pelo Programa de Estímulo à Cultura de Bauru, será das obras da artista Myriam Therezinha Vanzella Sanson, conhecida como Dinda, uma expoente da arte naïf em Bauru.

Até então a cidade não contava com um acervo público de arte naïf. O projeto que possibilita esse acesso foi desenvolvido por Adriana Vera Duarte, especialista em conservação, junto com Eric Van Hess, assistente de restauro.

Todas as obras passaram por processos de restauro, o que prolonga a qualidade estética da peça. Além da conservação das obras, o projeto permite algo até então distante no mundo artístico da cidade: o acesso à história da arte naïf de Bauru.

Estudos acadêmicos são bem-vindos

Adriana Vera Duarte é a responsável pelos processos de conservação e restauro. Ela destaca que o acervo servirá como fonte de pesquisa da arte naïf bauruense: “o projeto possibilitará a divulgação da produção artística da Dinda para as novas gerações e também o acesso do ambiente acadêmico às obras, como importante fonte de pesquisa. Será possível também realizar ações educativas sobre arte naif”.

Investimento público

A exposição se tornou possível por meio de um projeto patrocinado pelo Programa de Estímulo à Cultura de Bauru (PEC – Edital 2018), da Secretaria de Cultura. Por meio da verba disponibilizada, 41 telas da artista passaram por processos de conservação e restauro, que inclui higienização, reforço de borda e emolduração. O resultado final do projeto é a exposição, que marca o momento em que Bauru poderá conhecer mais de sua representante na arte naïf. “A PEC foi fundamental para a exposição acontecer”, salienta a restauradora Adriana.

O projeto também conta com a realização de uma oficina de restauro e uma palestra sobre monitoria em arte naïf. Ambas as atividades estão com as inscrições encerradas.

Conheça mais sobre a arte naïf

A arte naïf, chamada também de arte “ingênua”, retrata imagens rurais, cotidianas, festejos religiosos e populares, sendo proferida por artistas, em sua maioria autodidatas, que se pautam na espontaneidade, individualidade e nacionalidade, sem se enquadrarem em uma tendência artística ou acadêmica.

Ao lado de países como França, Itália, Haiti e ex-Iugoslávia, o Brasil teve uma grande representatividade nesse estilo, alcançando notoriedade na década de 50.

Quem é Myriam Terezinha

Myriam Therezinha Vanzella Sanson, a Dinda, como passou a ser reconhecida, nasceu em 18 de agosto de 1930, em Guarantã (SP). Morando em Bauru, foi uma das primeiras artistas a trabalhar com a arte naïf na cidade. Atuando como professora no ensino infantil, dedicou-se à pintura, iniciando com a porcelana e, posteriormente, desenvolveu a pintura em tela com suas primeiras exposições na década de 80. Em Bauru, seu atelier localizava-se na rua Gerson França.

Ao longo de sua carreira, a artista plástica expôs em todo o Brasil, participando de diversas exposições coletivas e individuais. Ao alcançar reconhecimento internacional suas obras chegaram às galerias da França, Portugal, Estados Unidos, Itália e Japão. Seus quadros estão também espalhadas em acervos públicos e particulares, tais como o Museu do Sol de Penápolis, o Museu Primitivista de Assis, a Maria Calas Art Gallery em Miami (Flórida/EUA), e South Flórida Art Center em Miami (Flórida/EUA).

A abertura da exposição será nesta sexta-feira, 13, às 20h. A artista Myriam Therezinha Vanzella Sanson estará presente e quem quiser conhecê-la pode aproveitar a ocasião.

Na abertura Companhia Estável de Dança de Bauru apresentará uma coreografia com cenas que remetem às obras da artista. Intitulada “Sertaneja”, a coreografia foi criada por Yola Guimarães para o grupo Imagem de Bauru em 1985, e conta com figurinos de Elvira Roda e uma trilha sonora com alguns clássicos da música sertaneja raiz.

Serviço

Exposição “Dinda, uma representante da Arte Naïf brasileira em Bauru”

Abertura: 13 de março, às 20h, com apresentação da Cia. Estável de Dança de Bauru

Período de Visitação: 16 de março a 05 de junho (segunda a sexta, das 9h às 17h30)

Local: Pinacoteca Municipal/Casa Ponce Paz

Endereço: Rua Antônio Alves, 9-10, Centro

Classificação livre e entrada gratuita

Agendamento: (14) 3232-1552

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com