Outubro Rosa: especialistas alertam sobre câncer de mama em mulheres jovens

Hereditariedade é um dos principais fatores associados à doença em pacientes com menos idade.

A preocupação com o câncer de mama costuma começar na vida das mulheres brasileiras a partir dos 40 anos, quando a mamografia passa a ser um exame de necessidade anual,  recomenda a Sociedade Brasileira de Mastologia. Há ainda quem comece a se preocupar somente aos 50 anos, idade considerada de risco pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No entanto, a doença tem sido diagnosticada cada vez mais em mulheres jovens. Especialistas explicam que vários fatores podem aumentar o risco de desenvolver a doença, como histórico familiar ou determinados hábitos comportamentais.

O câncer de mama de origem hereditária representa de 5% a 10% dos casos da doença no país. O oncologista Ramon Andrade de Mello, Doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Universidade do Porto, Portugal, e Ex-Fellow do Royal Marsden Hospital, Londres, Reino Unido, explica que a hereditariedade é um dos principais fatores associados diretamente ao câncer de mama em mulheres jovens. “Isso acontece devido a alterações genéticas (mutações ou metilações) que afetam mecanismos de replicação do DNA, sendo passada de geração em geração. Então se a pessoa for portadora de uma mutação, as chances dos familiares herdarem pode ser em torno de 50%”, explica o especialista.

A dificuldade no diagnóstico do câncer de mama em pacientes com menos idade também é um problema. Segundo o oncologista, o tecido mamário nas mulheres jovens é mais denso, o que dificulta a identificação de nódulos. “Muitas vezes quando a doença é diagnosticada, ela já está em estágio avançado”, afirma. Além disso, o câncer de mama em mulheres jovens pode ser agressivo e menos propenso a responder ao tratamento.

Diagnóstico

Ramon reitera que o diagnóstico precoce é fundamental no tratamento contra qualquer tipo de câncer. Com o de mama, o autoexame é de extrema importância para que a mulher conheça bem o seu corpo e perceba qualquer alteração nas mamas para, dessa forma procurar um médico. Vale lembrar que o autoexame não substitui exames como mamografia, ultrassom, ressonância magnética e biopsia quando indicados, que podem definir o tipo de câncer e a localização dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com